fbpx

Compartilhe
Pin It
Thamara Oliveira

Conheça o "seagulling", termo que define o ato de não querer mais uma pessoa, mas também não querer que ela esteja com outras

possessividade170521Foto: praetorianphoto/Getty Images

No mundo do sexo e dos relacionamentos, existem diversas tendências comportamentais que ganham ou perdem força de acordo com o contexto. Neste momento de pandemia, incertezas e solidão, um comportamento que tem sido comum é o que muitos chama de seagulling.

Trocadilho com o inglês para gaivota, seagulling seria, em tradução livre, “gaivotar”. O termo foi inventado pelo portal Metro e conceitua o ato de não querer mais estar com a pessoa, mas também não querer que ela esteja com outro alguém.

O uso da gaivota faz referência aos pássaros do filme Procurando Nemo, que são possessivos e, mesmo com a boca cheia de comida, gritavam “meu, meu meu” para reivindicar todos os peixes disponíveis como seus. No mundo humano, é o mesmo que colocar alguém em “banho maria”.

Apesar de ser algo que acontece em relacionamentos desde sempre, especialistas apontam que a sensação de “tempo perdido” causada pela atual pandemia facilita que este comportamento egoísta apareça.

“Agora que podemos ver a luz no fim do túnel, muitos relacionamentos vão perder intensidade e cair, à luz de um futuro livre de Covid e restrições sociais”, afirmou Tess Leigh-Phillips, do Your Happy Heart Coach, em entrevista ao portal britânico.

Uma pergunta que pode pairar é: independente de coronavírus, o que leva uma pessoa a manter um relacionamento com alguém mesmo quando já não é mais a mesma coisa? Os principais motivos são, além da ansiedade em não saber se vai encontrar outra pessoa, a rejeição à sensação de perda no momento em que a ex-parceria engatar outra relação.

Também ao Metro, a especialista em relacionamentos on-line Charisse Cooke, explica que é inerente ao ser humano não lidar muito bem com o sentimento de perda – seja ela grande ou pequena.

“O pensamento dessa pessoa estando com outra pode provocar sentimentos surpreendentemente poderosos em nós, porque traz à tona o fato de que acabamos de perder alguém, e ele está compartilhando sua vida – e cama – com outra pessoa”, afirmou.

Depois de uma autoanálise, se identificou e percebeu que está “cozinhando” o(a) coleguinha? Além de colocar na balança as consequências emocionais que isso pode trazer à parceria, a principal dica é focar em si mesmo(a) e no mundo fora do seu relacionamento. Afinal, é sempre válido lembrar: ele existe.

 

 

 

 

FONTE: https://www.metropoles.com/colunas/pouca-vergonha/possessividade-e-egoismo-sao-tendencia-de-relacionamento-na-pandemia

Comments fornecido por CComment

DO SEU INTERESSE

Curiosidades

INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Recente no Site

Mariana Fonseca Governo estadual também anunciou que Fase de Transição segue e detalhou apoio a...
DW.COM Kathlen Romeu, de 24 anos, foi baleada durante um tiroteio entre policiais e criminosos na...
Correio24Horas É o segundo ano consecutivo que a festa não pode acontecer Aglomeração e São João...

Notícias Nacionais

Parceiros & Apoiadores

Notícias Gastronomia

Letícia Taets - Revista Seleções O mês de junho chegou e com ele os festejos juninos! Preparando tudo para fazer a sua festa em casa, não pode faltar a tradicional paçoca de amendoim. Mas já...

Redação casa.com.br Com o Dia dos Namorados se aproximando, é uma boa hora para ir treinando as habilidades culinárias para preparar um prato cheio de amor e corações para aquele alguém...

Maria Fernanda Ziegler, da Agência Fapesp Quando se trata de ganhar massa e força muscular, é mais importante atentar para a quantidade de proteína ingerida do que para a origem do nutriente....

Guia da Cozinha Em mês de Festa Junina e dias frios, nada melhor do que um caldo verde para se aquecer e entrar no clima de São João. Esse prato tradicional é tão versátil quanto delicioso, por...

RELIGIÃO

Fernando Rossit O fenômeno se traduz por uma estranha impressão de já ter vivenciado a cena presente e mesmo saber o que se vai passar em seguida, ainda que a situação que esteja a ser vivida seja inédita. Conhecido como déjà vu, ou paramnesia...

Helio & Deise Peixoto “…não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” 2 Coríntios 4:18 {loadposition apoiador-estilo-vida} Mesmo sendo...

Frei Luiz Iakovacz Nas celebrações dominicais, leem-se três leituras bíblicas, das quais a primeira é sempre extraída do AT. No Tempo Pascal, porém, tanto nos dias de semana como nos domingos, proclama-se Atos dos Apóstolos. Com isso, a Igreja...

ESTILO DE VIDA

Divulgação

Don't have an account yet? Register Now!

Sign in to your account