fbpx

Compartilhe
Pin It

Por VICTOR MAIA

São tempos de conflito e exacerbação. Ofensas, brigas, crimes, polarizações, excessos, são inúmeros os modos como nos destruímos como sociedade e criamos impasses de difícil solução. Somos ora vítimas, ora protagonistas de malfeitos que, de algum modo, suspendem o tempo, impedem que o curso ordinário das coisas continue. É aí que se estabelecem as cenas contemporâneas de perdão.

victor maia250321Foto: divulgação

Diante das feridas e dos conflitos que emergem dos rasgos de nosso tecido social e familiar, o perdão aparece como a possibilidade de um novo começo. Um fantasma que retorna, um passado que não passa, somos assombrados pelas feridas infligidas a nós e por aquelas que, porventura, causamos aos outros.

Mas o perdão não acontece sem desafios e paradoxos. Aquele que perdoa exige de seus carrascos que este confesse a sua falta, que se arrependa, que se transforme e que, finalmente, peça perdão à vítima. A confissão serve aí para exteriorizar uma nova consciência, agora arrependida e consciente de sua culpa. Pelo reconhecimento da falta e pelo arrependimento, o ofensor manifesta seu desprendimento do mal cometido, ele se desvincula do mal feito.

Teológica em demasia toda essa história de perdão, dirão alguns. Embora dotado de uma forte herança religiosa, o perdão é por vezes a única possibilidade de conciliação entre nossas subjetividades. O perdão suspende o tempo do ódio, suspende um tempo de vinganças, permitindo-nos certo renascimento psíquico, certo apaziguamento.

Perdoar a si mesmo talvez seja até mais difícil do que perdoar aos outros. O filósofo lituano Emmanuel Levinas certa vez disse que “os males que devem cicatrizar na alma sem o socorro do outro são os males mais profundos”. Mas perdoar a si e aos outros talvez sejam partes de um mesmo e único movimento. Quem não consegue perdoar a si muito provavelmente não terá capacidade de perdoar aos outros.

Perdoar implica uma incansável relação com o outro, como um imperativo de justiça. A cena instaurada pelo perdão é a cena de um novo início, a ser vivida como uma possibilidade libertadora de continuarmos. É preciso que o curso ordinário da existência se movimente novamente, é preciso que, pela reconciliação, encontremos novas maneiras de “ser”. É preciso pedir perdão. E perdoar.

*Psicanalista e filósofo, com pós-doutorado pela UFRJ

 

 

 

 

FONTE: https://www.jb.com.br/bem-viver/2021/03/1029180-o-perdao-nos-tepos-do-colera.html

Comments fornecido por CComment

DO SEU INTERESSE

Curiosidades

INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Recente no Site

Metro World News Há oportunidades para enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, entre outros /...
Isadora Teixeira A Coalizão Negra por Direitos disse que ingressou com ação civil pública contra a...
Por G1 Piracicaba e Região A imunização deve ser agendada pelo site da prefeitura; confira todos...

Notícias Nacionais

Parceiros & Apoiadores

Notícias Gastronomia

Metro World News Confira uma receita prática e deliciosa de churrasco com acém e setinho fazer em casa facilmente. Uma versão um pouco mais econômica para o fim de semana. / Reprodução - YouTube...

Marina Estevão - Revista Seleções Bombom já é uma sobremesa deliciosa... Agora, imagina um bombom de leite Ninho caseiro e superfácil de fazer? © pamela_d_mcadams/iStock Bombom de leite Ninho:...

Pedro Marques Paçoca do Beco, por Academia da Cachaça © Fornecido por Revista Menu Paçoca do Beco, por Academia da Cachaça -  Paçoca do Beco, por Academia da Cachaça / Foto:...

Metro World News Confira uma receita prática e deliciosa de pudim de pão simples para fazer em casa facilmente. Uma preparação especial. / Reprodução - YouTube Receitas de Pai {loadposition...

RELIGIÃO

Fernando Rossit O fenômeno se traduz por uma estranha impressão de já ter vivenciado a cena presente e mesmo saber o que se vai passar em seguida, ainda que a situação que esteja a ser vivida seja inédita. Conhecido como déjà vu, ou paramnesia...

Helio & Deise Peixoto “…não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” 2 Coríntios 4:18 {loadposition apoiador-estilo-vida} Mesmo sendo...

Frei Luiz Iakovacz Nas celebrações dominicais, leem-se três leituras bíblicas, das quais a primeira é sempre extraída do AT. No Tempo Pascal, porém, tanto nos dias de semana como nos domingos, proclama-se Atos dos Apóstolos. Com isso, a Igreja...

ESTILO DE VIDA

Divulgação

Don't have an account yet? Register Now!

Sign in to your account