fbpx

Compartilhe
Pin It
Por Gazeta do Povo

O confronto envolvendo árabes e a polícia israelense em Jerusalém Oriental nos últimos dias gerou nesta segunda-feira (10) uma nova onda de ataques dos grupos terroristas Hamas e da Jihad Islâmica, desde a Faixa de Gaza, contra a região central e sul de Israel, o que por sua vez provocou uma resposta das forças de defesa israelenses.

ataquehamas110521Imagem ilustrativa

O número de feridos e mortos ainda é incerto. De acordo com o Hamas, 20 palestinos, incluindo nove menores, morreram. As Forças de Defesa de Israel (IDF) informaram que atacaram "vários alvos terroristas da organização terrorista Hamas na Faixa de Gaza nas últimas horas", tendo atingido dois lançadores de foguetes, duas posições militares e oito agentes terroristas.

Segundo a imprensa israelense, o IDF teria dito que três crianças palestinas não foram mortas durante o ataque israelense às posições do Hamas na Faixa de Gaza, mas sim durante o lançamento de um foguete contra Israel que acabou dando errado. Um civil israelense ficou levemente ferido na fronteira de Gaza depois que um foguete lançado de Gaza atingiu um carro.

Os ataques do Hamas e da Jihad Islâmica contra Israel começaram às 18h (12h no horário de Brasília). Foram lançados ao menos sete foguetes, que caíram em campos abertos nos arredores de Jerusalém – com exceção de um que foi interceptado pelo sistema de defesa de Israel. Outros ataques, do Hamas e da Jihad Islâmica, foram lançados contra comunidades israelenses que vivem na fronteira com a Faixa de Gaza.

A polícia de Jerusalém evacuou temporariamente as pessoas da Cidade Velha. O Plenário do Knesset (parlamento israelense) também foi evacuado no fim da tarde, depois que sirenes de alerta soaram em toda a cidade. A Defesa de Israel enviou mais soldados para a fronteira de Gaza e também fechou estradas e locais e interrompeu o serviço de trem na região. O tráfego aéreo foi desviado da Faixa de Gaza. As aulas em algumas cidades no sul de Israel foram suspensas.

A cidade de Ascalão, situada ao norte da Faixa de Gaza, decidiu abrir seus abrigos anti-bomba. “Apesar de não termos recebido um pedido oficial para fazê-lo, decidimos agir sobre essa questão por muita cautela”, disse o prefeito de Ascalão, Tomer Glam.

Em resposta, a Força Aérea de Israel conduziu ataques aéreos contra alvos na Faixa de Gaza.

O que desencadeou o conflito atual?

O Hamas havia ameaçado publicamente atacar a nação judaica se as forças de segurança israelenses não desocupassem a Esplanada das Mesquitas (Monte do Templo) e o bairro de Sheikh Jarrah até às 18h local (meio-dia no horário de Brasília). Os dois locais concentraram recentes protestos entre grupos árabes, judeus e a polícia israelense.

“Esta é uma mensagem que o inimigo deve entender bem”, disse nesta segunda-feira um porta-voz das Brigadas Izz al-Din al-Qassam, do Hamas, após lançar o ataque contra Israel.

No começo desta segunda, a polícia israelense invadiu a mesquita de al-Aqsa, na Esplanada das Mesquitas, um dos locais mais sagrados do Islã, com o objetivo de dispersar milhares de palestinos que estavam barricados no local, planejando ataque com pedras e coquetéis Molotov contra a marcha do Dia de Jerusalém, feriado israelense que celebra o estabelecimento do controle de Israel sobre a Cidade Velha, que estava marcada para a tarde de hoje. A ordem para entrar na mesquita veio depois que um posto policial foi atacado.

“Os meios de dispersão usados pela polícia israelense – munição não-letal, balas de borracha, gás lacrimogêneo – são os mesmos que qualquer outro país democrático usaria nessa situação. A polícia tinha que impedir que milhares de pessoas começassem a atirar pedras, isso poderia sair de controle”, disse André Lajst, cientista político e diretor executivo da Stand With Us Brasil.
Foi depois deste episódio que o Hamas ameaçou atacar Israel se a polícia não desocupasse o templo. Mas as tensões em Jerusalém já estavam aumentando.

Desde sexta-feira passada, pelo menos 500 pessoas ficaram feridas em confrontos entre a polícia israelense e grupos árabes na Esplanada das Mesquitas, onde fica a mesquita de al-Aqsa. Os palestinos protestavam contra a reintegração de posse de duas casas do Bairro de Sheikh Jarrah, em benefício de colonos israelenses.

Lajst explicou que neste bairro, no fim do século XIX, grupos judeus haviam comprado terrenos para construir casas, mas depois que a Jordânia conquistou a região em 1948, eles acabaram sendo expulsos. Nos 19 anos seguintes, o local foi ocupado por grupos palestinos com a permissão do reino jordaniano, mas sem que a posse dos terrenos fosse realmente dada a eles. Israel retomou o controle do território após a guerra de 1967, e os palestinos, aos poucos, se viram forçados a deixar o bairro. Isso porque uma lei israelense prevê que, se os judeus puderem comprovar que sua família vivia em Jerusalém Oriental antes da Guerra Árabe-israelense de 1948, podem pedir a restituição de seus direitos de propriedade. A legislação, porém, é contestada pelos palestinos.

"O Hamas vai utilizar de qualquer motivo, seja ele falso ou não, pra acusar Israel de profanar locais sagrados islâmicos, e vai usar isso para atacar Israel", concluiu Lajst.

Reações

"As organizações terroristas cruzaram a linha vermelha no Dia de Jerusalém e nos atacaram, nos arredores de Jerusalém", disse o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. "Israel responderá com muita força. Não toleraremos ataques em nosso território, nossa capital, nossos cidadãos e nossos soldados. Quem nos atacar pagará um preço alto", disse ele.

Estados Unidos e Reino Unido condenaram as hostilidades. "Os EUA condenam nos termos mais enérgicos o lançamento de foguetes contra Israel nas últimas horas. Essa é uma escalada inaceitável", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price. "Enquanto pedimos a redução da escalada a todos os lados, também reconhecemos o direito legítimo de Israel de se defender, e a seu povo e território", continuou.

O ministro de Assuntos Exteriores britânico, Dominic Raab, pediu o fim da violência em curso em Jerusalém e Gaza. "Precisamos de uma desescalada imediata por parte de todos os grupos e o fim dos ataques à população civil", afirmou.

A Alemanha pediu que todos os lados "evitem mais mortes de civis". "Nada justifica o lançamento de foguetes na população civil israelense", disse o ministro de Relações Exteriores alemão, Heiko Maas. "Isso certamente não leva à resolução do conflito, mas sim à mais escalada sem sentido".

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, prometeu em telefonema a líderes palestinos que irá mobilizar o mundo para parar o "terror" de Israel.

O Conselho de Segurança da ONU, a pedido da Tunísia, deve se reunir ainda nesta segunda-feira para abordar a situação em Jerusalém.

Os esforços internacionais para conter a violência parecem já ter começado. Uma autoridade palestina disse à agência Reuters que Egito, Catar e as Nações Unidas, que mediaram tréguas entre Israel e Hamas no passado, estiveram em contato com o líder do grupo, Ismail Haniyeh.

Após uma reunião de gabinete para avaliação de segurança, o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, declarou "situação especial" em uma faixa de 80 quilômetros de Gaza pelas próximas 48 horas. Várias cidades abriram os seus abrigos públicos anti-bombas.

O líder da Jihad Islâmica, Ziad Nakhaleh, disse na noite de segunda-feira que "Israel começou a agressão contra Jerusalém. Se essa agressão não for contida, não há propósito nos esforços políticos para alcançar um cessar-fogo".

Um porta-voz da ala militar do Hamas disse em comunicado que o grupo irá responder caso Israel "não encerre o cerco aos fiéis na Mesquita de Al-Aqsa".

 

 

 

 

FONTE: https://www.gazetadopovo.com.br/mundo/jerusalem-e-outras-regioes-de-israel-sao-alvos-de-ataque-do-hamas/

 

 

 

Comments fornecido por CComment

DO SEU INTERESSE

Curiosidades

INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Recente no Site

Deutsche Welle O Brasil tem sido um caso mundial raro de acúmulo de erros no combate à doença...
Metro World News Há oportunidades para enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, entre outros /...
Isadora Teixeira A Coalizão Negra por Direitos disse que ingressou com ação civil pública contra a...

Notícias Nacionais

Parceiros & Apoiadores

Notícias Gastronomia

Metro World News Confira uma receita prática e deliciosa de churrasco com acém e setinho fazer em casa facilmente. Uma versão um pouco mais econômica para o fim de semana. / Reprodução - YouTube...

Marina Estevão - Revista Seleções Bombom já é uma sobremesa deliciosa... Agora, imagina um bombom de leite Ninho caseiro e superfácil de fazer? © pamela_d_mcadams/iStock Bombom de leite Ninho:...

Pedro Marques Paçoca do Beco, por Academia da Cachaça © Fornecido por Revista Menu Paçoca do Beco, por Academia da Cachaça -  Paçoca do Beco, por Academia da Cachaça / Foto:...

Metro World News Confira uma receita prática e deliciosa de pudim de pão simples para fazer em casa facilmente. Uma preparação especial. / Reprodução - YouTube Receitas de Pai {loadposition...

RELIGIÃO

Fernando Rossit O fenômeno se traduz por uma estranha impressão de já ter vivenciado a cena presente e mesmo saber o que se vai passar em seguida, ainda que a situação que esteja a ser vivida seja inédita. Conhecido como déjà vu, ou paramnesia...

Helio & Deise Peixoto “…não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” 2 Coríntios 4:18 {loadposition apoiador-estilo-vida} Mesmo sendo...

Frei Luiz Iakovacz Nas celebrações dominicais, leem-se três leituras bíblicas, das quais a primeira é sempre extraída do AT. No Tempo Pascal, porém, tanto nos dias de semana como nos domingos, proclama-se Atos dos Apóstolos. Com isso, a Igreja...

ESTILO DE VIDA

Divulgação

Don't have an account yet? Register Now!

Sign in to your account