fbpx

Compartilhe
Pin It

Por Mauro Ferreira

Álbum de Jards Macalé e ciclo de shows celebram os 100 anos do criador de sambas como 'Opinião' e 'Malvadeza Durão'.

ze keti030121Reprodução / Capa de disco

MEMÓRIA“Acender as velas / Já é profissão / Quando não tem samba / Tem desilusão”, reportou Zé Kétti nos versos de Acender as velas (1964), um dos sambas que mais bem traduzem a natureza politizada da obra deste compositor, cantor e ritmista carioca.

{apoiador-estilo-vida}

Em 2021, espera-se que o centenário de nascimento de José Santos Flores (16 de setembro de 1921 – 14 de novembro de 1999) acenda novamente a luz do Brasil para a importância do legado do compositor.

Por ora, há no horizonte álbum gravado por Jards Macalé nos Estados Unidos no fim de 2019 com o trio do percussionista Sergio Krakowski – somente com músicas de Zé Kétti – e ciclo de shows no Centro Cultural Banco do Brasil que, a partir deste mês de janeiro, reapresenta os sambas de Zé Kétti nas vozes de cantores como Zé Renato, cuja obra fonográfica inclui álbum dedicado ao cancioneiro do compositor, Natural do Rio de Janeiro (1996).

Zé Kétti – cujo apelido da infância tornado nome artístico é grafado com dois 't', embora comumente seja escrito na mídia com um – é celebrado sobretudo pela criação do samba A voz do morro, apresentado na voz do cantor Jorge Goulart (1926 – 2012) em disco gravado em setembro de 1955.

Ode ao samba, A voz do morro romantizou um Brasil feliz e foi o primeiro grande sucesso de Zé Kétti, que começara a compor no fim dos anos 1930 e tivera a primeira música gravada em 1946, Vivo bem, pelo cantor Ciro Monteiro (1913 – 1973).

Antes da explosão de A voz do morro, o sucesso começou a bater na porta do compositor quando a cantora Linda Batista (1919 – 1988) gravou em 1951 o samba Amor passageiro (Zé Kétti e Jorge Abdala), hit do Carnaval de 1952.

Nascido e criado entre bairros do subúrbio carioca, como Inhaúma e Piedade, Zé Kétti subiu muito os morros da cidade e, neles, apreendeu a sintaxe do samba que, no caso das criações do compositor, muitas vezes nascia no batuque suave de caixa de fósforos.

Filho e neto de músicos, o artista ascendeu a partir dos anos 1950 quando associou à obra ao engajado Cinema Novo e passou a fazer sambas com fortes tonalidades sociais. Dessa cepa, são Malvadeza Durão (1959) – samba visionário sobre a morte de líder do morro “valente, mas muito considerado” – e Opinião (1964), composição que batizou show teatralizado que uniu Zé Kétti a Nara Leão (1942 – 1989), cantora que, a partir de então, se tornaria uma das principais intérpretes do compositor.

Contudo, seria redutor enquadrar somente na moldura social a obra de Zé Kétti, artista cuja trajetória perdeu impulso a partir da década de 1970, embora o compositor jamais tenha deixado de ser gravado com regularidade.

Também levam a assinatura de Zé Kétti a marcha-rancho Máscara negra (Zé Kétti e Hildebrando Pereira Passos, 1966) – sucesso do Carnaval de 1967 na voz de Dalva de Oliveira (1917 – 1972) e desde então hit certeiro nos salões – e a obra-prima Mascarada, composta em 1964 com melodia sublime do bamba Elton Medeiros (1930 – 2019), que lançou o samba em 1966 em pot-pourri de disco dividido com Paulinho da Viola.

Por tudo isso, 2021 é ano em que o Brasil deve celebrar Zé Kétti, compositor que deu voz às alegrias e desilusões do morro e do samba.

 TOPO

Por Mauro Ferreira

Jornalista carioca que escreve sobre música desde 1987, com passagens em 'O Globo' e 'Bizz'. Faz um guia para todas as tribos

 

 

 

 

FONTE: https://g1.globo.com/pop-arte/musica/blog/mauro-ferreira/post/2021/01/02/centenario-de-ze-ketti-acende-a-luz-sobre-compositor-que-deu-voz-as-alegrias-e-desilusoes-do-morro.ghtml

Comments fornecido por CComment

DO SEU INTERESSE

Curiosidades

INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Recente no Site

Mariana Fonseca Governo estadual também anunciou que Fase de Transição segue e detalhou apoio a...
DW.COM Kathlen Romeu, de 24 anos, foi baleada durante um tiroteio entre policiais e criminosos na...
Correio24Horas É o segundo ano consecutivo que a festa não pode acontecer Aglomeração e São João...

Notícias Nacionais

Parceiros & Apoiadores

Notícias Gastronomia

Letícia Taets - Revista Seleções O mês de junho chegou e com ele os festejos juninos! Preparando tudo para fazer a sua festa em casa, não pode faltar a tradicional paçoca de amendoim. Mas já...

Redação casa.com.br Com o Dia dos Namorados se aproximando, é uma boa hora para ir treinando as habilidades culinárias para preparar um prato cheio de amor e corações para aquele alguém...

Maria Fernanda Ziegler, da Agência Fapesp Quando se trata de ganhar massa e força muscular, é mais importante atentar para a quantidade de proteína ingerida do que para a origem do nutriente....

Guia da Cozinha Em mês de Festa Junina e dias frios, nada melhor do que um caldo verde para se aquecer e entrar no clima de São João. Esse prato tradicional é tão versátil quanto delicioso, por...

RELIGIÃO

Fernando Rossit O fenômeno se traduz por uma estranha impressão de já ter vivenciado a cena presente e mesmo saber o que se vai passar em seguida, ainda que a situação que esteja a ser vivida seja inédita. Conhecido como déjà vu, ou paramnesia...

Helio & Deise Peixoto “…não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” 2 Coríntios 4:18 {loadposition apoiador-estilo-vida} Mesmo sendo...

Frei Luiz Iakovacz Nas celebrações dominicais, leem-se três leituras bíblicas, das quais a primeira é sempre extraída do AT. No Tempo Pascal, porém, tanto nos dias de semana como nos domingos, proclama-se Atos dos Apóstolos. Com isso, a Igreja...

ESTILO DE VIDA

Divulgação

Don't have an account yet? Register Now!

Sign in to your account